Caracterização da micobiota e detecção de aflatoxina M1 em fórmulas infantis

Authors

  • Victor Moebus Farias
  • Beatriz Clarissa dos Santos Ferreira e Pereira
  • Leonardo de Assunção Pinto
  • Felipe Braz Nielsen Köptcke
  • Luiz Antonio Moura Keller
  • Robson Maia Franco

DOI:

https://doi.org/10.55905/rcssv12n4-018

Keywords:

contagem fúngica, micotoxinas, segurança alimentar

Abstract

O uso de suplementos alimentares se faz cada vez mais presente devido a mudanças nos hábitos alimentares, sendo assim, cada vez mais necessário à sua inclusão na dieta de crianças, em especial os recém-nascidos. Considerando a fragilidade da população alvo, é importante realizar estudos para a avaliação dos riscos microbiológicos e toxicológicos aos quais os consumidores estão expostos. As amostras de fórmulas infantis foram recolhidas na unidade do lactário do Hospital Universitário Antônio Pedro, Niterói e em farmácias comerciais, processadas em três formas distintas: no momento da abertura da embalagem, após a ressuspensão da amostra e a amostra ressuspendida após 24h sob refrigeração. A análise micológica foi realizada utilizando os meios Dicloran, rosa de bengala, cloranfenicol (DRBC) e Dicloran, glicerol 18% (DG18) para enumeração fúngica e as concentrações de micotoxinas foram detectadas utilizando-se fluorimetria associada com métodos imunoenzimáticos. Nas análises foram encontrados valores médios (em UFC/mL) fungos filamentosos e xerofílicos de 8,14 x 10² e 2,34 x 10³, respectivamente. Os valores de contagem obtidos no presente estudo são um reflexo de falhas durante o processamento do produto, escolha da matéria prima e manipulação durante a reconstituição. Porém, os valores encontrados nas amostras analisadas estavam dentro do padrão preconizado pela legislação nacional, estando assim em conformidade e seguras para o consumo.

References

ALVITO, P. C.; SIZOO, E. A.; ALMEIDA, C. M. M.; van EGMOND, H. P. Occurrence of Aflatoxins and Ochratoxin A in Baby Foods in Portugal. Food Analitycal Methods, v. 3, p. 22-30. 2010.

AOAC. Association of Official Analytical Chemists. Official Methods of Analysis 19 ed. Gaithersburgh, Maryland: Association of Official Analytical Chemists International 2007.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 30, DE 5 DE AGOSTO DE 2009. Estabelece critérios e procedimentos para o registro de produtos, para rotulagem e propaganda e para isenção da obrigatoriedade de registro de produtos destinados à alimentação de animais de companhia. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF, p. 13, 07 ago. 2009. Seção 1.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução da diretoria colegiada- RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos e a Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação em Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF, n. 206, p. 126 out. 2002. Seção 1.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução da diretoria colegiada- RDC nº 44, de 19 de setembro de 2011. Regulamento técnico para fórmulas infantis de seguimento para lactentes e crianças de primeira infância. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF, n. 182, p. 92, 21 set. 2011. Seção 1.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução da diretoria colegiada - RDC nº 60, de 23 de dezembro de 2019. Estabelece as listas de padrões microbiológicos para alimentos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, n. 249, p. 133, 26 dez. 2019. Seção 1.

BRASIL. Ministério da saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da diretoria colegiada- RDC nº 88, de 26 de março de 2021. Estabelece os limites máximos tolerados (LMT) de contaminantes em alimentos. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF, n. 61, p. 226, 31 mar. 2021. Seção 1.

CAMPOS, J. M. S.; de MENEZES, L. F.; PONE, M. V. S. Infecções fúngicas no período neonatal. In. MOREIRA, M. E. L.; LOPES, J. M. A; CARALHO, M., orgs. O recém-nascido de alto risco: teoria e prática do cuidar [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2004. 564 p.

CE. COMUNIDADE EUROPÉIA. (2005) Regulamento Nº 2073/2005 de 15 de 623 Novembro de 2005, relativo a critérios microbiológicos aplicáveis aos gêneros 624 alimentícios. Jornal Oficial da União Européia, 22 de dezembro de 2005.

CODEX ALIMENTARIUS COMMISSION. Code of Hygienic Practice for Powdered Formulae for Infants and Young Children: CAC/RCP 66 - 2008., Rev. 4-2003. 2008.

CODEX, S., General standard for contaminants and toxins in food and feed. FAO/WHO, Rome, (CODEX STAN 193-1995). 2013.

CROCO, E. Opções Terapêuticas para Infecções Fúngicas Sistêmicas em Pacientes Pediátricos. The Lancet Infectious Diseases, v. 2003, n. 1, p. 1, 2003.

DI CASTRO, I. C.; de OLIVEIRA, H. F.; MELLO, H. H. C.; MASCARENHAS, A. G. Micotoxinas na produção de suínos. Revista Portuguesa de Ciências Veterinárias, v. 110, n 593-594, p. 6-13. 2015.

FAO/WHO Food and Agriculture Organization of the United Nations/World Health Organization. General standard for contaminants and toxins in food and feed CXS 193-1995. 2014. 65p.

FARIAS, V. M.; PEREIRA, B. C. S. F.; PINTO, L. A.; KELLER, L. A. M.; FRANCO, R. M. Microbiota characterization and aflatoxin m1 detection in newborns food supplements for use in neonatal unit. International Journal of Development Research, v. 11, n. 09, p. 49962-49966. 2021.

FDA – Food and Drug Administration, 2018. Infant Formula Requirements Pertaining to Current Good Manufacturing Practice, Quality Control Procedures, Quality Factors, Records and Reports and Notifications, 21 C.F.R. § 106.

FDA – Food and Drug Administration. Revised guidelines for the assessment of microbiological quality of processed foods. n. 2013-610. 2016

FILHO, G. P.; PEDROSO, E. R. P.; GIANNETTI, A. V.; DARWICH, R. Aspergilose cerebral em paciente imunocompetente. Arquivo de Neuro-Psiquiatria, v. 63, n. 4. 2005.

GERMANO, P. M. L.; GERMANO, M. I. S. Higiene e Vigilância Sanitária de Alimentos. 6. ed. São Paulo: Manole, 2019. 896 p.

GONÇALVES, B.; SANTANA, L.; PELEGRINI, P. Micotoxinas: Uma revisão sobre as principais doenças desencadeadas no organismo humano e animal. Revista de Saúde da Faciplac, v. 4, n. 1, p. 1-12. 2017.

IHA, M. H.; BARBOSA, C. B.; OKADA, I. A.; TRUCKSESS, M. W. Aflatoxin M1 in milk and distribution and stability of aflatoxin M1 during production and storage of yoghurt and cheese. Food Control, v. 29, p. 1-6. 2013.

MEUCCI, V.; RAZZUOLI, E.; SOLDANI, G.; MASSART, P. Mycotoxin detection in infant formula milks in Italy. Food Additives & Contaminants: Part A, v. 27, n. 1, p. 64-71. 2010.

MOURA, A. C.; TASCA, A. C.; PINTO, P. G. DA S.; SOARES, A.; ASSUMPÇÃO, R. B. Qualidade microbiológica de farinhas de trigo (Triticum aestivum) comercializadas na 734 cidade de Cascavel (Paraná). Segurança Alimentar e Nutrição, v. 21, n. 2, p. 499-504. 2014.

PEREIRA, B. C. S. F.; FARIAS, V. M.; KELLER, L. A. M.; FRANCO, R. M. Bacteriological and mycological occurrence in food supplements for seniors. International Journal of Development Research, v. 11, n. 11, p. 52083-52087. 2021.

PITT, J.L.; HOCKING, A. D. Fungi and Food Spoilage. 4 ed. Berlim: Springer Science & Business Media. 2022. 645 p.

SANTOS, J. S.; OKANO, W.; ARRAIS, B. C. D.; COSTABEBER, I. H.; SANTANA, E. H. W. Aflatoxin M1 in Dairy Products and Acid Lactic Bacteria as Biocontrol Agent in Milk. Uniciências, v. 18, n. 1, p. 51-56. 2014.

TAVARES, R. M.; LEITE, C. E. A.; TAVARES, R. M.; OLIVEIRA, P. L.; QUENTAL, O. B. de. Aspergillosis and mucormycosis - systemic mycoses of importance in COVID-19: Review article. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 7, p. e59410717101. 2021.

TONON, K. M.; SAVI, G. D.; SCUSSEL, V. M. Application of a LC–MS/MS method for multimycotoxin analysis in infant formula and milkbased products for young children commercialized in Southern Brazil. Journal of Environmental Science and Health, Part B, v. 0, n. 0, p. 1-7. 2018.

USP - United State Pharmacopeia. Microbiological Enumeration Tests – Nutritional and Dietary Supplements <2021>. 2013.

WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATION, UNITED NATIONS CHILDREN’S FUNDANTION. WHO. Protecting, promoting and supporting breastfeeding in facilities providing maternity and newborn services: the revised Baby-friendly hospital initiative. Geneva, 2018.

Downloads

Published

2023-09-11

How to Cite

Farias, V. M., e Pereira , B. C. dos S. F., Pinto , L. de A., Köptcke, F. B. N., Keller, L. A. M., & Franco, R. M. (2023). Caracterização da micobiota e detecção de aflatoxina M1 em fórmulas infantis. Revista Caribeña De Ciencias Sociales, 12(4), 1828–1839. https://doi.org/10.55905/rcssv12n4-018

Issue

Section

Articles